• PDF
  • Imprimir

O Rio tem vocação para a produção de orgânicos

  • Seg, 13 de Maio de 2013 15:19
  • A deputada Aspásia Camargo participou, no dia 9 de maio, do evento Green Rio, sobre produção orgânica e sustentável

     

    alt

    A deputada Aspásia Camargo participou, no último dia 9 de maio, quinta-feira, do Green Rio, evento que discutiu a produção e o consumo sustentáveis e o cultivo de alimentos orgânicos no Rio de Janeiro. A parlamentar, que recentemente promoveu audiência pública na Assembleia Legislativa para discutir a Política do Estado para Agrotóxicos, reiterou a principal conclusão do debate realizado na Alerj: chegou a hora do Rio encarar a transição para uma agricultura sustentável, com eficiência comercial. E a boa moeda dessa troca deve ser o produto orgânico, que merece condições mais favoráveis de proteção e estímulo, assim como vem ocorrendo com os agrotóxicos, protegidos pelas melhores condições mercadológicas.

    "O Rio não tem tradição agrícola, mas pode e deve desenvolver. Dados do IBGE mostram que ela já está crescendo. É uma questão de vocação do estado. Ele tem que desenvolver uma agricultura orgânica para o alimento que consumimos; para produtos mais sofisticados que abastecem a gastronomia; e para o turismo", disse ela.

    No último dia 25 de abril, a Alerj votou o Projeto de Lei 2023/2013, do Governo do Estado, que trata de agrotóxicos. Para a deputada Aspásia Camargo, que pediu, na ocasião, o adiamento da votação para aprimoramento da proposta, o processo de aprovação do PL abriu uma frente de batalha importante contra os agrotóxicos e por uma nova legislação sobre agricultura orgânica e familiar no estado do Rio de Janeiro. Aspásia comemorou duas vitórias: ela conseguiu modernizar e tornar mais útil o Cadastro de Agrotóxicos, cuja criação estava prevista no projeto de lei inicial; e provocou o reconhecimento, por parte da liderança do Governo, de que os pequenos agricultores de sementes e mudas, que vivem em grande parte na informalidade, assim como a produção de orgânicos, precisam ser protegidos por uma lei específica.

    O Rio tem vocação para a produção de orgânicos