• PDF
  • Imprimir

Cena suja na Urca

  • Qui, 27 de Fevereiro de 2014 16:27
  • destaque-bai9a-guanabara-urca-praia

    Contemplado pelo Sena Limpa, bairro exibe festival de línguas negras nas praias. Aspásia realizou ação por placas que informam sobre salubridade da água e da areia.

    Um dos palcos do Programa Sena Limpa, que promete despoluir seis praias da Zona Sul do Rio, a Urca está sofrendo com línguas negras que despejam esgoto in natura na Baía de Guanabara. Segundo o último boletim do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Prefeitura do Rio, água e areia da praia estão impróprias. No último dia 22 de fevereiro, sábado, a deputada Aspásia Camargo realizou ação em frente ao bar Garota da Urca chamando atenção para a necessidade de colocação de placas que informam se as praias estão liberadas para a uso dos banhistas.

    placa-urcaA iniciativa faz parte de uma campanha que a parlamentar vem promovendo na orla do Rio desde o início de janeiro. No final de 2013, Aspásia aprovou, na Alerj, a Lei 6.496 que obriga o Governo do Estado a colocar painéis informativos, mostrando a qualidade da água e da areia em todo o litoral do Rio de Janeiro. No decorrer da ação, a equipe da deputada instalou uma placa bem em frente à casa do cantor Roberto Carlos, na Avenida Portugal 818. De acordo com os moradores, é neste ponto que fica o cano extravasor da Cedae, que despeja esgoto na Baía 24 horas por dia.

    "Ouvimos também reclamações de barraqueiros e banhistas sobre a falta de banheiros nas praias, o que induz os frequentadores a usar a própria praia e os muros da região como penico. Eles relataram que há também muito lixo, especialmente nas pedras de proteção das muretas da orla", contou a parlamentar.

    A ação constatou que os resíduos vêm, inclusive, dos restaurantes do bairro, que colocam mesas nas calçadas na margem da Baía. "E é na água que os garçons jogam as sujeiras das toalhas, facilitando a proliferação de vetores", contou Jefferson Lessa, assessor da deputada Aspásia, que coordenou a ação.

    O aposentado e vendedor de sorvete, Sr. Roberto, de 65 anos, contou que a obra do Sena Limpa previu a eliminação de uma boca negra na praia. Mas ela continua firme e forte, no mesmo lugar. "Sinto que há uma falta de interesse dos governantes com relação ao problema do saneamento e da limpeza da Baía de Guanabara", disse ele.

    A sujeira é tanta que até os salva-vidas estão temerosos. "Como entrar nessa água e não pegar doenças? Se alguém não morrer afogado, pode morrer por doenças causadas pelo esgoto", questionou um deles.

    Presidente da Associação Brasileira de Canoa Polinésia, o ecólogo Nicolas Bourlon desenvolve um projeto esportivo que promove a inclusão de atletas na para-canoagem. O primeiro clube da América do Sul será localizado na Urca e terá participação relevante nas Olimpíadas de 2016. "Eu apoio a iniciativa do monitoramento da qualidade das águas e da areia das praias do nosso estado, pois estamos muito preocupados com as condições atuais", disse ele.

    A ação foi acompanhada pela vice-presidente da Associação de Moradores da Urca, Celinéia Ferreira. Foi a associação que solicitou a inclusão da Praia Vermelha no projeto Sena Limpa. "Existe uma saída de esgoto bem no meio da faixa de areia. A Praia Vermelha não está tão limpa como o INEA divulga", disse a liderança do bairro.

    Ela quer mobilizar os moradores interessados para uma reunião sobre saneamento, em data ainda a ser combinada.

    Cena suja na Urca